25/08/2012

O Verdadeiro Lobisomem

Olá espirítos, deuses, semideuses,
monstros, magos e quem mais estiver ai com a gente.
Hoje vou postar sobre lobisomens. Essas informações foram um pouco
complicadas de se achar, porque toda vez que eu digitava a palavra
lobisomem no Pai Google me aparecia aqueles caras do crepúsculo.
 Então vamos ao verdadeiro lobisomem pelo amor de Deus.
Assim como o vampiro, a imagem do lobisomem está mais do que distorcida,
está destruída! Portanto, se você não vê um lobisomem assim...
ou assim...
você com plena certeza vê ele assim:
(Nanda e Dora, me desculpe, é a mesma justificativa do vampiro)
ME MATA! ME MATA! ONDE NO MUNDO ISSO É UM LOBISOMEM? ONDE?
Uma coisa que muita pouca gente sabe é que a verdadeira origem do lobisomem
está na Grécia Antiga e que seu verdadeiro nome é licantropo.
O mito grego diz que Licáon, rei da cidade de Arcádia, convidou Zeus
para um suntuoso banquete e Zeus realmente apareceu. Licáon duvidava muito
 de que aquele homem sentado a sua mesa era realmente Zeus, então ele
mandou que alguns de seus guardas matassem dois de seus criados,
mandou os outros cozinharem os companheiros mortos e servir a carne deles
a Zeus. Se aquele homem realmente fosse Zeus, ele perceberia que aquilo era
 carne humana e mostraria seus poderes e ele percebeu. Zeus se sentiu
profundamente ofendido e como castigo transformou Licáon em um ser
que teria a fome, a agressividade, a crueldade e a sede de um lobo,
descontrolado e a beira da loucura Licáon matou todos os seus guardas, criados,
esposas e os seus 59 filhos, ele fugiu, sabia que tinha se tornado um monstro,
mas precisava de aliados, então ele sempre mordia um homem ou outro,
e este se transformava em um ser igual a ele. Fora dai que surgira os verdadeiros
 lobisomens ou licantropos devido a Licáon, o primeiro lobisomem.
Peeira ou fada dos lobos é o nome que se dá às jovens que se transformam nas guardadoras ou companheiras de lobos. Elas são as versões femininas dos lobisomens e fazem parte das lendas de Portugal e da Galiza.
A peeira tem o dom de comunicar e controlar alcateias de lobos.
Corredor é a pessoa que tem que correr o fado (fardo ou maldição). O corredor é um ser mutante, pode assumir a forma de lobo, de cão ou outro animal.
Quando se encontra um corredor, para quebrar o fado deve-se
fazer sangue, isto é, fazê-lo sangrar.
Tardo é uma espécie de duende, um ser mutante que assume formas
de animais mas que pode transformar-se num lobisomem
se ao fim de sete anos não lhe quebrarem o fado.
Corrilários são as almas penadas em figura de cão. Se um lobisomem morre antes de terminar o seu fadário, depois de morto termina os seus dias como corrilário.
No Brasil (principalmente no sertão), a lenda ganhou várias versões. Em alguns locais dizem que o sétimo filho homem de uma sucessão de filhos do mesmo sexo, pode transforma-se em lobisomem. Em outras regiões dizem que se uma mãe tiver seis filhas mulheres e o sétimo for homem, este se transformará em lobisomem. Existem também versões que falam que, se um filho não for batizado poderá se transformar em lobisomem na fase adulta. Conta a lenda que a transformação ocorre em noite de Lua cheia em uma encruzilhada. O monstro passa a atacar animais e pessoas para se alimentar de sangue. Volta a forma humana somente com o raiar do Sol.
Atualmente e antigamente acreditasse que a única coisa que pode ferir ou
matar um lobisomem são armas de prata pura.
Também existem lobisomens em casos clínicos. No distúrbio psiquiátrico da 
licantropia, acredita-se que exista um transtorno do senso de identidade própria
 segundo a definição de Scharfetter. É encontrado principalmente em 
transtornos afetivos e esquizofrenia, mas pode ser encontrado em outras psicopatias. Psicodinamicamente, pode ser interpretado como uma tentativa de exprimir
 emoções suprimidas, especialmente de ordem agressiva ou sexual, através da
 figura do animal, que pode ser muito variado (lobo, cachorro, morcego, cavalo,
 sapo, abelha etc). O caso mais famosa foi de um homem que dizia ter feito um
 pacto com o Diaba, este lhe deu um cinto de pele de lobo e disse que toda vez 
que ele usasse aquele cinto iria adquirir aparência, força e velocidade de um lobo.
Além do distúrbio psiquiátrico, a porfiria, especialmente a porfiria 
cutânea tarda é uma doença hereditária que pode levar a desfigurações e 
distúrbios mentais em casos raros e excepcionais que podem lembrar os lobisomens.
 Podem acreditar, esse foi o caso mais leve que eu achei, os outros davam
a ideia de que a pessoa sofrera um serio acidente com produtos químicos,
ou de carro, ou até mesmo com um animal, não é uma coisa muito bonita de se ver.
Esse é o verdadeiro lobisomem.
P.S. Na cultura Quileute realmente existem lendas que envolvem homens-lobos,
 mas são poucas as coincidencias com o que diz a saga Crepúsculo.
Bjs.